segunda-feira, agosto 2, 2021
Home Destaques De montador de boi bravo a cantor sertanejo

De montador de boi bravo a cantor sertanejo

Por Omar Silva
‘’Sempre fui Montador de cavalo e boi brabo, mas a Música que tocava dentro de mim, falava mais alto’’. Emanuel Guedes
Emanuel Guedes nasceu no dia 21 de abril de 2000, dia do herói nacional Joaquim José da Silva Xavier que ocorreu em 21 de abril de 1792. Era conhecido pelo apelido “Tiradentes.’’  Entretanto, falaremos sobre outro herói que não é nacional ainda, mas vive na luta diária.  O cantor é da cidade de Promissão, no interior de São Paulo e segundo ele, nunca passou fome propriamente dita, no entanto, sempre teve muitas dificuldades no campo.  Todavia, a liberdade é algo único e prazeroso para se desfrutar a vida. Não precisa preocupar-se com mais nada.
A rotina dele inicia-se muito cedo, às 04 horas da manhã.  Tratar das vacas, levar o leite para o leiteiro recolher no caminhão, fazer a silagem com o trator e depois capinar a roça debaixo do calor escaldante ou de chuva torrencial, são atividades costumeiras.
Emanuel Montador de touro bravo
No início da adolescência, fez muitos cursos de doma e rédia, começou a montar cavalo com maestria.  Foi então que o amigo Antônio Carlos (mais conhecido na região pelo apelido de ‘’Doido’’ percebeu que o garoto tinha potencial para tal e convidou-o para entrar no mundo do rodeio.  O convite foi aceito, Emanuel começou competir em rodeios locais, montando em cavalos e touros bravos. Com pouco tempo, o montador tornou-se um profissional e rapidamente conquistou vários nas competições de rodeio.  Mas o sonho de cantar ainda falava mais alto.  Foi aí que a carreira de valente montador despencou junto com o trágico acidente que sofreu.  O garoto literalmente caiu do cavalo e teve um corte profundo na cabeça, deixando-o por longos seis meses impossibilitado de voltar às atividades.
Sonho de ser cantor
Já em meados da adolescência, aos 14 anos de idade, filho de músico, o grande sonho de Emanuel sempre foi de cantar para o povo. Sempre deslumbrou deste sonho.  O menino chegava da escola, almoçava e em seguida caminhava, uma distância 20km, com chuva ou sol, em direção à escolinha de violão que ficava no centro da cidade. Como não tinha instrumento, o violão do pai estava muito velho e com as cordas enferrujadas, pegava emprestado dos colegas do cursinho para realizar o sonho de aprender a tocar bem e expandir os conhecimentos dentro da música.  O anseio pelo aprendizado foi tamanho que com pouco tempo de aula, o assíduo aluno foi aprimorando cada vez mais e já tocava algumas músicas de ouvido mesmo.  O ano de 2015 foi o mais difícil para o jovem, pois o pai estava meses desempregado e o único sustento da família vinha da ajuda de Emanuel que se empenhava muito para manter este pequeno sustento.  Mesmo assim, ele trabalhava dia e noite e por esse motivo, ficou por dois anos atrasado e fora da escola.  O retorno só foi em 2017, quando conseguiu concluir o ensino médio.
Hoje, já muito bem recuperado do acidente;  todos os dias, por algumas horinhas no intervalo do almoço, o  jovem rapaz dá um jeitinho de pegar o violão, sentar-se debaixo de algumas árvores para ensaiar as músicas preferidas de seus ídolos Zezé di Camargo, Eduardo Costa e Gustavo Lima e imaginar que está cantando para um grande público. Em seguida volta para o dormir.
  Foto/arquivo Pessoal
Quando a noite cai, ele volta-se para um canto na varandinha da casa e começa a tocar cantar novamente até chegar a hora de dormir.  A família dá total apoio, cantando junto.    A dedicação à música está muito maior agora, voltada para esta carreira. No início de 2019, Emanuel começou a fazer vídeos e postar nas redes sociais.  A partir daí, os amigos começaram ajudar e convidá-lo para fazer pequenos shows em outras cidades, em churrascos e aniversários.  Neste meio tempo, o cantor conseguiu comprar um violão e está fazendo sucesso cantando e fazendo lives por aí.

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor insira seu comentário!
Digite seu nome aqui

Mais Lidas

Como manter-se no equilíbrio, em situações adversas?

Por Dôra Paiva Durante toda a nossa trajetória de vida, passamos por “altos e baixos emocionais”. Uns dias são tranquilos, outros mais agitados, enfim essa...

Atividade física não tem idade

Por Barbara Ferreira Tem limite de idade para começar a se exercitar? A resposta é Não! Começar a fazer uma atividade física e sentir-se bem ao...

Os encantos do Rio Mucugezinho – Chapada Diamantina

Por Luziane do Carmo O Rio Mucugezinho reserva aos visitantes lugares incríveis para banho, e o destaque fica por conta do Poço e Cachoeira do...

A conscientização de ser plus size: uma história real

Por Priscila Conti Olá, tudo bom? Me chamo Priscila Conti, 35 anos, casada e modelo plus size em parceria com meu irmão Evaristo vulgo o menino...