domingo, setembro 26, 2021
Home Destaques Inverno favorece infecção intestinal infantil

Inverno favorece infecção intestinal infantil

Por Redação

Conhecer os sintomas ajuda a identificar o problema e beber mais água contribui para a prevenção

No inverno, tanto crianças como adultos tendem a beber menos água e fazer menos xixi, fato que facilita infecções, já que o ato de urinar é responsável pela limpeza do canal da uretra, evitando a proliferação de micro-organismos no local. Além disso, a umidade típica da estação pode contribuir para o aumento de casos de Infecções do Trato Urinário (ITUs), já que quando a criança usa uma roupa íntima que não secou direito ela acaba tendo contato direto com um número maior de agentes infecciosos. Na estação mais fria do ano, o aumento de infecções do trato respiratório, como gripes e resfriados, e o uso de antibióticos para tratar outras doenças como sinusite e amigdalite podem contribuir para a queda da imunidade, o que também favorece o aparecimento da infecção urinária.

A ITU é uma infecção bacteriana em alguma região do trato urinário. O local preferido das bactérias é a bexiga, mas os rins, ureteres e uretra também podem ser acometidos. Exames de urina, de imagem e de sangue podem ser solicitados por especialistas para fechar o diagnóstico. De acordo com o urologista geral e pediátrico Leonardo Calazans, os sintomas variam por idade. Em bebês e crianças de até dois anos, os mais comuns são febre, vômitos, diarreia e urina com odor fétido. Crianças acima dessa idade apresentam outros sintomas. Se o local da infecção for a bexiga, podem surgir dor ou sensação de ardência ao urinar, vontade frequente e súbita de fazer xixi, dor na bexiga (região inferior do abdômen) e dificuldade para urinar ou prender a urina (incontinência urinária). Se a infecção for renal, os sintomas mais comuns são: dor em um ou em ambos os rins (na lateral do corpo ou nas costas, logo acima da cintura), febre alta, calafrios e mal-estar grave.

Recém-nascidos com infecções urinárias raramente apresentam sintomas além de febre. Às vezes, eles não se alimentam bem, ficam lentos (letárgicos), vomitam ou têm diarreia. Crianças com defeitos congênitos que impeçam a urina de fluir normalmente têm maior probabilidade de apresentar ITU no presente e problemas renais no futuro, se não forem tratadas. Além disso, “recém-nascidos podem ficar muito doentes se uma infecção do trato urinário se disseminar através do sangue para o resto do corpo. Quando isso ocorre, temos um quadro clínico conhecido como sepse”, pontuou Calazans, que atua como preceptor de urologia das Obras Sociais Irmã Dulce, em Salvador, e do Hospital Estadual da Criança, em Feira de Santana.

Crianças que recebem tratamento adequado raramente desenvolvem insuficiência renal (incapacidade dos rins de filtrar adequadamente os resíduos metabólicos do sangue), a menos que elas tenham anomalias no trato urinário que não podem ser consertadas. Contudo, “as infecções urinárias de repetição, podem formar cicatrizes no rim, fato que pode dar origem à hipertensão arterial e à doença renal crônica”, destacou Leonardo Calazans.

Prevenção – Segundo o especialista, que também é diretor do núcleo de urologia do Instituto Baiano de Cirurgia Robótica (IBCR), nem sempre é possível prevenir as infecções urinárias, mas a higiene adequada dos órgãos genitais pode ajudar. As meninas devem ser ensinadas a se limpar esfregando-se da frente para trás (em vez de trás para frente) após evacuar e depois de urinar para reduzir as chances das bactérias penetrarem pela abertura uretral. A circuncisão dos meninos ajuda a reduzir o risco da doença na etapa inicial da infância. Apenas 10% dos circuncidados apresentam ITUs em comparação aos que não são, mas há divergências sobre o fato desta vantagem, por si só, ser motivo suficiente para justificar a retirada do prepúcio. “A micção e evacuações regulares, o consumo abundante de água e a não utilização de roupas íntimas úmidas ou molhadas por muito tempo ajudam a evitar o aparecimento das infecções urinárias nas crianças”, destacou.

Tratamento – As infecções do trato urinário são tratadas com antibióticos. Crianças que apresentam casos mais graves e todos os recém-nascidos recebem esses medicamentos por injeção intramuscular ou em uma veia (intravenosa). Outras crianças recebem antibióticos por via oral. O tratamento em geral dura, aproximadamente, de 7 a 14 dias. Algumas crianças com anomalias estruturais do trato urinário precisam de cirurgia para corrigir o problema. Outras precisam tomar antibióticos diariamente para prevenir infecções.

Fonte imagem: tnh1.com.br

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor insira seu comentário!
Digite seu nome aqui

Mais Lidas

Posso usar?

Por: Priscila Conti   Olá queridos leitores. Na coluna Plus Size de hoje, o assunto é: Posso usar? Quantas vezes nós mulheres Plus ficamos em dúvida do que usar...

P51 Rock Brasil – “Já não sei mais”

Por Juninho Ouro Preto A Capital paulistana é uma zona musical muito especial para o Brasil. São Paulo além de ser a maior metrópole brasileira...

Estilo Minimalista na Decoração

Por  Angelica Schianta No ano que passou de 2020, nunca passamos tanto tempo dentro de casa. Toda essa alteração trouxe novos modos de viver em...

MC G15 lança “Nunca Foi Amor” em parceria com Nattan, DG e Batidão Stronda

Por: Omar Silva   Single estreia o projeto “G de 15 em 15”, em que o artista lançará uma música a cada 15 dias. Nesta sexta-feira, 24...