quinta-feira, abril 18, 2024
Home Destaques Violência Doméstica

Violência Doméstica

Por Renato Camargo

 

As mortes causadas pelo COVID já superaram as 120 mil vítimas no Brasil, e está alcançando a marca de 1 milhão pelo mundo.

Igualmente preocupante é o número de agressões que as mulheres estão sofrendo em meio à crise pandêmica. Com as famílias em isolamento em casa, o Ministério da Saúde apontou que o houve aumento de 40% de denúncias recebidas pelo canal 180.

Essa é uma realidade para milhares de mulheres pelo Brasil, que convivem diariamente com o medo, vivendo anos sob clima de tensão e cercada de violência física, psicológica, emocional, verbal, sexual e patrimonial.

O problema sempre existiu e a mentalidade parece ainda caminhar a passos lentos para uma mudança radical de postura. Quem trabalha nos serviços de saúde, como psicólogos e assistentes sociais, recebem diariamente denúncias de todo tipo de violência que as mulheres sofrem em casa, e os agressores geralmente são os maridos.

Mulheres que sofrem abuso ao conviverem com maridos usuários abusivos de álcool ou drogas, mulheres que são emocionalmente abusadas e verbalmente agredidas e muitas vítimas de abuso sexual.

Esse tipo de violência está mais próximo de nós do que imaginamos, talvez ocorra no vizinho, ou mesmo, na nossa família, e a conduta é sempre a mesma: “em briga de marido e mulher não se mete a colher”, ou seja, o silêncio de quem poderia estar salvando uma vida em perigo.

Qual solução para esse problema, já que é uma epidemia antiga e cresce ano a ano? A Lei Maria da Penha define, tipifica e cria serviços especializados que combatem todas as formas de violência contra as mulheres, composto por instituições de segurança pública, justiça, saúde e assistência social.

É um enfrentamento importante para esta demanda, que coloque o agressor no lugar onde ele deve estar (cumprindo medidas restritivas), e a mulher no lugar de onde ela nunca deve ser tirada, que é o lugar de ser respeitada, detentora de direitos, vivendo em condições mais dignas e a garantia de uma sociedade mais justa e igualitária. No aspecto da segurança pública e justiça, para os agressores a lei não deve e não pode ser branda, a força da lei tem que coibir e restringir tais atitudes, sem a qual, o agressor torna a cometer o mesmo ato infracional.

No campo da saúde e da assistência social tem que fortalecer e criar mais espaços de acolhimento psicológico e social para orientação sobre a igualdade dos gêneros e conscientizar que essa luta é de todos, homens e mulheres.

Homens que orientarão outros homens sobre a responsabilidade de tratar esse assunto com profundidade e mulheres que fortalecerão outras mulheres a superarem essas experiências traumáticas. No entanto, há outra esfera da sociedade ainda mais importante do que essas citadas, que é a educação.

Mais importante que o tratamento corretivo é a prevenção, é abrir esse diálogo entre as crianças e adolescentes. Desde pequeno, o menino deve ser educado que não se bate em menina e o adolescente que uma brincadeirinha de mau gosto é o início de um tratamento machista e agressivo.

Mães e pais devem ensinar seus filhos (meninos) que não se dá tapa na coleguinha (menina), que não se manda calar a boca e nem toma atitudes que agridam a amiguinha. Da mesma forma são as mães e pais de meninas, para que denunciem toda forma de violência sofrida, que não se calem e não aceitem tratamento injusto e desrespeitoso.

Evidente que os modelos de conduta estão nos pais, se o pai costuma agredir a mãe, o filho fará o mesmo quando for adulto; e se a mãe costuma aceitar as agressões do pai, a filha da mesma forma se submeterá a isso.

Ao passo que, vamos ensinando as crianças pequenas e conscientizando-as, vamos transformando a sociedade e agindo para um futuro melhor.

A medida que a violência cresce entre os adultos, o uso da lei se faz necessária para coibir e impedir que mais mortes aconteçam, protegendo as mulheres e seus filhos, mas à medida que ensinamos desde cedo que ‘menino não bate em menina’ caminhamos para um futuro onde meninos tratarão meninas de forma justa, digna e igualitária. Assim caminharemos para um futuro onde menino não precisa necessariamente abrir a porta do carro para a menina, nem pagar a conta do restaurante, só precisa trata-la com respeito e humanidade, é só isso que elas exigem de nós, homens.

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor insira seu comentário!
Digite seu nome aqui

Mais Lidas

Axé pra sempre na Micareta de Feira

Por Gilberto Romano  Sexta-feira a micareta de feira traz diversas atrações pra animar o público: Araketu, Alinne Rosa, Psirico, Olodum, dentre outras. O destaque deste dia...

Zé Honório comanda Micareta de Feira no sábado

Por Redação  Neste final de semana acontece uma das tradicionais micaretas do Brasil, a de Feira de Santana. O Carnaval da "Princesinha do Sertão" promete...

Cidade de Deus: vamos recordar?

Por Teo Gelson  Lá se vão 20 anos desde que "Cidade de Deus" foi lançado nas salas de cinema, pontuando um período áureo da produção...

Aonde seu time joga no Brasileirão 2024 neste meio de semana?

Por Fernando Francisco  Neste meio de semana começou a segunda rodada do campeonato de futebol mais disputado do mundo, nessa terça dia 16/04 tivemos Bahia...