quarta-feira, julho 24, 2024
Home Cidadania Alienação Parental

Alienação Parental

Por Dr Gilanio Calixto 

Com certeza você já deve ter escutado esses termos e frases a seguir mencionadas, infelizmente, num é mesmo? Vejamos:

  “Seu pai abandonou você porque quis”

“Seu pai tem outra família, ele não gosta mais de você”

“Você deveria ter vergonha do lixo da sua mãe”

“Não atende o seu pai filho, ele quer tirar você da mamãe”

“Você ficou doente porque a sua mãe não sabe cuidar de você”

“Sua mãe nunca quis você. Ela só pensa na pensão”

Inclusive muito presente, lastimavelmente, nos dias atuais e que causam sérios problemas. Vamos conhecê-lo?

Pois bem, isso tem nome e chama-se de Alienação parental e é considerado crimes, são interferências psicológicas nas crianças ou nos adolescentes geradas pelos pais que se divorciaram ou puseram fim em uma relação ou até mesmo por aqueles que detém a guarda. Essas ações são consideradas crimes pelas leis brasileiras, inclusive com destaque para a lei nº 12.318/2010 que define e destaca as suas sanções.

Essa situação provoca inúmeros efeitos na vida sentimental, psicológica e afetiva dos menores, gerando distanciamentos familiares e prejudicando os laços afetivos.

A alienação parental fere, portanto, o direito fundamental da criança à convivência familiar saudável, sendo, ainda, um descumprimento dos deveres relacionados à autoridade dos pais ou decorrentes de tutela ou guarda.

Alguns dos intensos prejuízos psicológicos e afetivos sofridos pelas vítimas, visto que, é importante proteger a criança dos conflitos e desavenças do casal, impedindo que eventuais disputas afetem o vínculo entre pais e filhos.

As crianças e adolescentes, que sofrem alienação, podem desenvolver sérios problemas tais como: isolamentos sociais, ansiedade, inseguranças, depressão e dificuldades de relacionamento e as questões voltdas aos resultados do aprendizado na escola, o que resulta em um desenvolvimento psicossocial afetado, e que perduram seus efeitos para toda a vida se torna uma catástrofe na vida dos menores.

É preciso CONSCIÊNCIA que os filhos não são responsáveis pelo fim do relacionamento, que não podem ser “usados” como ferramentas para atingir a outra parte e que não existe “ex-filhos”. Faz-se necessários aos PAIS deixarem marcas de AMOR, DE RESPEITO, DE AFETIVIDADE e de PRESENÇA na vida dos menores, pois isso é ETERNO.

E você? Conhece alguém que pratica tais atos inadmissiveis? Conhece crianças e adolescentes que sobrevivem neste dilema entre os pais devido o fim do relacionamento?

        Isso é muito sério!!

      Precisamos ser mais conscientes!!

Fiquemos pois atentos e mais solidários.

Pense nisso!!!

Gilanio Calixto Velez

Advogado e Professor

 Advogado especialista em Direito Previdenciário e em Direito de Familia

 Te aguardo nos meus perfis das redes sociais no Instagram: @gilaniocalixtoadv; @mcrereser

 Email: [email protected] ; fone: (83).9.9866.3639

Fontes:

– Lei 12. 318/2010 – Dispõe sobre a alienação parental e altera o art. 236 da Lei no 8.069, de 13 de julho de 1990.

 

 

 

 

 

 

 

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor insira seu comentário!
Digite seu nome aqui

Mais Lidas

Como diagnosticar e superar feridas emocionais para uma vida plena após 40+

Por Hiane Santos Você sabia que muitas mulheres, ao atingirem os 40 anos, enfrentam desafios emocionais significativos que podem afetar sua autoestima e bem-estar geral?...

Politica monetária: o que é e como afeta a sua vida?

Por Daniele Costa do Canto A política monetária é um conjunto de ações implementadas pelo Banco Central (BC) de um país para controlar a quantidade...

Dois filmes feitos para a TV com grandes atrizes

Por Nelsinho Toledo    Hoje vou comentar sobre dois filmes feitos para a televisão que há muito tempo não são mais exibidos pela TV brasileira,...

Podcast de Inclusão em Premiação Nacional

Por Rita Silva  Venho comunicar que estou participando de uma premiação a nível nacional. Que alegria! Nunca passou pela minha cabeça que um dia eu...