quarta-feira, julho 24, 2024
Home Destaques Escrava Isaura: sucesso na literatura, cinema e telenovela

Escrava Isaura: sucesso na literatura, cinema e telenovela

Por Teo Gelson 

“A Escrava Isaura”, o maior sucesso do escritor mineiro Bernardo Guimarães, marcou época na literatura, ganhou o cinema e rodou o mundo em formato de telenovela. Agora, em nova edição publicada pela Panda Books, a obra ganha o auxílio das luxuosas notas informativas e parágrafos explicativos da também mineira Fátima Mesquita. Ela também contextualiza eventos históricos, situa a obra dentro do debate sobre a abolição dos escravizados no Brasil no último quarto do século XIX e “traduz” palavras que caíram em desuso com o passar dos últimos 140 anos.

O livro “A Escrava Isaura” foi publicado em 1875, quando a causa abolicionista estava no centro do debate sobre o Brasil ainda Imperial, treze anos antes da abolição definitiva. Àquela altura, o Brasil era um dos únicos dois países do continente americano que ainda permitiam legalmente a prática da escravidão. O outro era Cuba.

Autor de “A Escrava Isaura”, Bernardo Guimarães foi escolhido por Raimundo Corrêa patrono da cadeira número 5 da Academia Brasileira de Letras – criada em 1897, treze anos depois da morte de Guimarães. Ele nasceu em Ouro Preto, no interior de Minas Gerais, e publicou doze livros de poesias e romances até encontrar em “A Escrava Isaura” o seu maior sucesso, nove anos antes de sua morte. Guimarães também foi juiz, professor e jornalista. No livro, optou por negar traços e características africanas à personagem Isaura para aproximar o seu perfil do perfil das leitoras em uma época em que a leitura era quase uma exclusividade branca. Entrou, assim, no debate abolicionista mostrando para pessoas iguais fenotipicamente à Isaura o quão absurda era a escravidão. Assim como vários outros romances famosos da literatura brasileira, “A Escrava Isaura” foi publicado originalmente em formato de folhetim – com um capítulo de cada vez – no jornal “O Constitucional”, de Ouro Preto, em Minas Gerais.

A história de “A Escrava Isaura” começa em Campos dos Goytacazes, na região norte do estado do Rio de Janeiro, e depois se desenvolve em Recife. Existe em Campos dos Goytacazes – mais precisamente no distrito de Martins Lage, às margens da rodovia BR 356 – um local chamado Solar dos Ayrizes, que seria uma representação da “casa da Escrava Isaura”. Os responsáveis pelo local garantem que foi lá que Bernardo Guimarães encontrou a inspiração para escrever a história.

A escravidão no Brasil foi um crime cometido fundamentalmente contra os negros e os povos originários. No entanto, jornais antigos trazem relatos e campanhas para libertar brancos escravizados em diferentes pontos do país – eram campanhas que não tinham caráter abolicionista, pois consideravam que apenas os brancos não poderiam ser escravizados. Em geral, sobretudo no século XIX, os casos de brancos escravizados eram de descendentes de relações entre mulheres negras escravizadas e os seus senhores brancos.

A primeira adaptação audiovisual de “A Escrava Isaura” é de 1949. O diretor Eurides Ramos lançou o filme protagonizado pela atriz Fada Santoro, que interpretou Isaura, e pelos atores Cyll Farney (Álvaro) e Graça Mello (Leôncio).

A presença da história de Bernardo Guimarães na cultura popular brasileira em grande parte se deve à novela “Escrava Isaura”, exibida pela TV Globo, na faixa das 6 da tarde, entre 11 de outubro de 1976 e 5 de fevereiro de 1977. Exibida em 100 capítulos, ela foi o primeiro grande sucesso do autor Gilberto Braga, que dois anos mais tarde estouraria no horário nobre com “Dancin’ Days” e enfileiraria sucessos como “Água Viva”, “Vale Tudo”, “O Dono do Mundo”, “Anos Rebeldes” e “Celebridade”. Lucélia Santos viveu a protagonista Isaura e Edwin Luisi e Rubens de Falco fizeram os papeis de Álvaro e Leôncio, respectivamente.

Para sustentar 100 capítulos na TV, Gilberto Braga foi preciso fazer algumas adaptações. Criou um outro par romântico para Isaura: Tobias, interpretado por Roberto Pirillo. Além disso, em tempos de ditadura militar, a censura do governo federal proibiu o uso da palavra “escravo”. Segundo o autor, a justificativa dos censores foi a de que a escravidão era uma mancha na história brasileira, e não deveria ser relembrada. Para driblar a proibição, Braga passou a escrever “peça” no lugar de “escravo”. A novela registrou bons índices de audiência, foi reprisada cinco vezes pela TV Globo e ganhou uma versão especial em DVD. Em 2004, a TV Record lançou uma nova adaptação do clássico com Bianca Rinaldi (Isaura), Theo Becker (Álvaro) e Leopoldo Pacheco (Leôncio) na trama criada por Tiago Santiago. Herval Rossano, diretor da produção de 1976, também assinou a versão produzida pelo canal paulista.

“Escrava Isaura” foi a novela mais exportada da teledramaturgia brasileira no século XX. Foi também a primeira produção da TV Globo a alcançar mais de 100 países (foram 104 no total), num processo que começou em 1979, com a venda dos direitos de exibição para emissoras da Itália e da Suíça. Ainda que hoje esse tipo de negociação seja muito mais simples, a produção baseada na obra de Bernardo Guimarães continua sendo uma das dez mais internacionalizadas da história da TV Globo.

A novela “Escrava Isaura” foi um fenômeno de audiência na China. A trama foi exibida pela Televisão Central da China e por suas emissoras regionais em 1985, um ano depois de o romance original de Bernardo Guimarães ganhar a sua primeira tradução para o mercado editorial da China. Batizada de “Ninu”, “escrava” em chinês, a novela consagrou a atriz Lucélia Santos, intérprete de Isaura, no país mais populoso do mundo. O sucesso foi tão grande que ela viajou até a China para receber o prêmio de Melhor Atriz no Golden Eagle Award, uma das mais importantes premiações da televisão chinesa. Em 2013, em uma entrevista à revista “Caras”, Lucélia contabilizou pelo menos 25 viagens para eventos e produções televisivas em território chinês – que renderam outras produções como o documentário “Isaura em Pequim”, que mostra a atriz brasileira assediada por um batalhão de fotógrafos e fãs nas ruas da capital do país.

Fonte: blog.pandabooks.com.br

 

 

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor insira seu comentário!
Digite seu nome aqui

Mais Lidas

Como diagnosticar e superar feridas emocionais para uma vida plena após 40+

Por Hiane Santos Você sabia que muitas mulheres, ao atingirem os 40 anos, enfrentam desafios emocionais significativos que podem afetar sua autoestima e bem-estar geral?...

Politica monetária: o que é e como afeta a sua vida?

Por Daniele Costa do Canto A política monetária é um conjunto de ações implementadas pelo Banco Central (BC) de um país para controlar a quantidade...

Dois filmes feitos para a TV com grandes atrizes

Por Nelsinho Toledo    Hoje vou comentar sobre dois filmes feitos para a televisão que há muito tempo não são mais exibidos pela TV brasileira,...

Podcast de Inclusão em Premiação Nacional

Por Rita Silva  Venho comunicar que estou participando de uma premiação a nível nacional. Que alegria! Nunca passou pela minha cabeça que um dia eu...